EXERCÍCIO: O ÚNICO REMÉDIO PARA RETARDAR O ENVELHECIMENTO


"A recomendação é válida para todos os idosos saudáveis, isto é, para quem tem mais de 60 anos e vale até para quem tem mais de 90 anos e, mesmo nessas idades avançadas, em três semanas o exercício começa a melhorar a qualidade de vida do idoso", afirma André Pedrinelli, médico e pesquisador do Laboratório do Estudo do Movimento.

O grupo de médicos que Pedrinelli integra acaba de fazer uma metanálise – consolidação de dezenas de pesquisas – sobre o exercício do idoso. O resultado é um resumo de todo o conhecimento sobre o benefício do exercício físico na terceira idade e que deve fazer parte de um livro sobre o tema, ainda sem data de publicação.

O próprio especialista participou de uma pesquisa com corredores de até 80 anos e garante que "a única droga que retarda o processo de envelhecimento é o exercício muscular", já que a Medicina comprovou que o envelhecimento biológico e a falta de uso dos músculos evoluem de forma paralela.

Perda de 1% ao ano
Osvandré Lech, presidente da SBOT, confirma que o idoso deve fazer musculação e explica que a partir dos 30 anos o organismo começa a perder tecido muscular num ritmo de 1% ao ano. Além disso, o envelhecimento biológico inclui a morte programada das células, o que faz que os tecidos percam água e não a recuperem.

Essa perda de água faz que as cartilagens da coluna se tornem menos espessas, "encolham", explica Pedrinelli, mesmo processo que leva ao enrugamento da pele, à perda da musculatura, ao enrijecimento dos tendões.

Há perda de força também por causa da redução da bainha de mielina que recobre os neurônios, e que se reduz com a idade, afetando a condução neurológica e fazendo que haja perda de equilíbrio. É por isso que um idoso tem dificuldade para se levantar de uma cadeira, por exemplo, passa a usar os braços como elemento adicional de força e equilíbrio e tem mais facilidade para abrir uma porta com maçaneta em L do que uma maçaneta redonda.

"Esse é o problema", afirma o médico, "mas a boa notícia é que as caminhadas, aliadas a um programa de musculação, melhoram a força, o que resulta em melhora do equilíbrio". Além disso, garante, "o exercício leva o idoso a dormir melhor, há melhora no funcionamento do intestino, a pressão arterial baixa, o batimento cardíaco se reduz e, extremamente importante, o exercício com pesos faz que os ossos ganhem consistência".

A preocupação com os ossos se explica, porque um osso mais forte é menos suscetível à fratura do colo do fêmur, problema típico do idoso e ainda muito grave, pois estatisticamente resulta em 30% de mortes.

Mesmo os idosos com problemas, seja de hérnia de disco, de angina instável ou de artrose avançada do joelho devem se exercitar, diz o ortopedista, mas, nesses casos, devem antes procurar o médico, que recomendará exercícios que não agravem sua patologia.

Recomendação médica
A recomendação da SBOT é a mesma do Colégio Americano de Medicina do Esporte: exercício moderado pelo menos três vezes por semana, com duração de pelo menos 30 minutos. "E vale tudo", diz Pedrinelli. "Seja subir a escada do apartamento, passear com o cachorro caminhando de forma enérgica e, sobretudo, musculação na academia", completa.

A consolidação dos conhecimentos sobre envelhecimento e benefício do exercício para o idoso é um trabalho coletivo, conclui Pedrinelli, que assina o estudo juntamente com Luiz Eugênio Garcez-Leme, do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da USP, e Ricardo do Serro Azul Nobre, do Grupo de Medicina do Esporte da Faculdade de Medicina da USP.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Para mais informações entre em contato:
acadhemia@gmail.com
83 98730 5644 (só mensagem).

 

Subscribe to our Newsletter

Contact

Email us: acadhemia@gmail.com

Our Team Memebers