Os ossos e a prevenção da osteoporose!

 
 
Os ossos são elementos importantes da estrutura do corpo. Através das suas articulações realizam o movimento, ajudam na manutenção do equilíbrio e servem como proteção para os órgãos internos. Durante as diferentes fases de desenvolvimento, os ossos sofrem remodelagem, tornando-se mais fortes ou mais fracos a depender de muitos fatores, sendo os mais preponderantes a prática de exercícios físicos e hábitos alimentares. No processo de senescência (envelhecimento), as modificações são mais impactantes devido à diminuição gradativa dos processos fisiológicos, causando impacto na qualidade de vida. Algumas alterações hormonais importantes levam à fraqueza do sistema ósseo, prejuízos nas atividades funcionais, provocando no indivíduo restrições na capacidade de se mover e atuar na sociedade. 
A osteoporose é uma das graves doenças que afetam os ossos. Com o aumento da expectativa de vida, algumas doenças passaram a ganhar destaque. Quanto maior a sobrevida do indivíduo, maior é o risco de desenvolver osteoporose. Esta é uma doença sistêmica, silenciosa, crônica e gradativa que atinge áreas do esqueleto, sendo caracterizada pela perda da massa óssea e de sua densidade mineral, atingindo o indivíduo quando há falta do hormônio estrógeno ou no processo de envelhecimento, pela diminuição de hormônios que ajudam na reabsorção óssea. A microestrutura do osso fica corrompida, a quantidade e a variedade de proteínas não colágenas são modificadas, aumentando o risco de fratura. Os ossos ficam fracos, opacos e quebradiços. A depender do local onde a fratura ocorra, pode comprometer em graus diversos a postura e o funcionamento de órgãos e estruturas vitais ou o aparelho locomotor. Apenas profissionais de saúde podem diagnosticar se cada caso trata-se realmente de osteoporose ou de uma osteopenia que é, em muitos casos - mas não necessariamente -, uma precursora da osteoporose. Classificam-se como osteopenia casos em que a massa óssea é de 10% a 25% menor que a considerada normal. Mais do que isso, classifica-se como osteoporose.
Segundo os autores Moreira Freire e Branco de Aragão, as fraturas por osteoporose ocorrem sob pequena quantidade de estresse sobre o osso, que normalmente não ocasionaria fraturas em pessoas sem a doença. As fraturas típicas ocorrem na coluna vertebral, quadril e punho. O colapso da vértebra (fratura por compressão) ocasiona dor crônica, postura curvada e diminuição na função pulmonar (capacidade de respirar), enquanto as fraturas dos ossos longos dificultam  a mobilidade e podem requerer cirurgia. Ainda que a osteoporose possa ocorrer em homens, ela é substancialmente prevalente em mulheres depois da menopausa. 
A diminuição do estrógeno, hormônio que previne a decréscimo de cálcio do osso e melhora a sua absorção pelos intestinos pode causar perda óssea, aumentando, assim, o risco de fraturas. O cálcio é um mineral essencial na formação de ossos e dentes. Prevenir a redução da massa óssea requer um equilíbrio entre perda e reposição de cálcio.
 A perda de massa óssea é uma consequência inevitável do processo de envelhecimento. No indivíduo com osteoporose a perda é tão importante que a massa óssea cai abaixo do limiar para fraturas, principalmente em determinados locais, como quadril, antebraço e vértebras. Mais comuns em mulheres que em homens, as fraturas vertebrais tendem a ocorrer duas décadas após a menopausa. Alguns autores sugerem serem fatores de risco bastante relevantes, a menarca tardia e a menopausa precoce.
As características das fraturas osteoporótica vertebrais são: "fraturas em forma de cunha", quando a vértebra assume a forma de cunha; "Vértebra de peixe” (bicôncava), quando a parte posterior do corpo vertebral é preservada e a anterior, colapsada; "fratura por esmagamento", quando as vértebras sofrem fortes compressões, sendo geralmente provocadas por quedas.
As fraturas nas vértebras costumam provocar dor, nem sempre localizada e que piora com o movimento e a respiração. Apesar da relevância das fraturas, a coluna   torácica  é a área mais acometida da coluna,  mas  as que causam mais problemas em idosos, são as do quadril.
Atualmente, muito se tem estudado sobre a associação, direta ou indireta, entre a elevada taxa de mortalidade e a fratura por fragilidade óssea. A relação com maior mortalidade é mais evidente após a fratura de quadril do que após fraturas vertebrais ou periféricas. Em contrapartida, ainda não está suficientemente esclarecido se o aumento do número de mortes é decorrente da fratura propriamente dita ou se está relacionada com outras variáveis, como idade avançada, presença de doenças concomitantes ou complicações clínicas e cirúrgicas após o evento. 
A falta de diagnóstico depois do evento constitui um problema importante em vários países do mundo, até mesmo no Brasil. Mesmo após um evento significativo, como a fratura de quadril, somente 13,9% dos pacientes receberam o diagnóstico de osteoporose e 11,6% iniciaram algum tratamento no momento da alta hospitalar.
É preciso estar atento aos processos que levam à instalação da doença no corpo, a fim de preveni-la. Os tecidos do nosso corpo, incluindo o tecido ósseo, funcionam durante toda a vida através do mecanismo de renovação celular.  As células chamadas osteoclastos se encarregam de remover células velhas, promovendo assim a reabsorção óssea e as células chamadas osteoblastos têm a função de colocar células novas na área. Esse processo acontece de uma forma mais intensa até aproximadamente os 30 anos de idade e, a partir desta faixa etária passa a haver uma lentidão no processo. O pico de massa óssea é atingido por volta dos 35 anos. Após esta idade, as mulheres perdem aproximadamente 1% de massa óssea por ano e podem perder até 6% por ano durante os primeiros cinco anos após a menopausa. Os homens apenas começam a perder massa óssea, cerca de 0,3% por ano, por volta dos 50 anos. Na osteoporose senil, os osteoblastos não preenchem as cavidades criadas pelos osteoclastos da maneira correta, o que deixa o osso fragilizado e propício a fraturas.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Para mais informações entre em contato:
acadhemia@gmail.com
83 98730 5644 (só mensagem).

 

Subscribe to our Newsletter

Contact

Email us: acadhemia@gmail.com

Our Team Memebers