Diabetes mellitus – Qual o papel da terapia antioxidante?

No controle deste grande estresse oxidativo podemos utilizar uma gama enorme de medicamentos, das mais diversas categorias como: minerais, vitaminas, aminoácidos, nutrientes e fitoterápicos.
1. Aminoácidos
Arginina intensifica o aumento da secreção de hormônios e insulina com efeitos anabólicos em pacientes no pós-operatório.
Cisteína – O diabético tem um aumento da necessidade de cisteína.
A cisteína e a metionina são importantes na síntese do ácido lipóico que provém do ácido linolêico. O ácido lipóico pode reduzir a necessidade de insulina e é benéfico no diabetes. Funciona bem na neuropatia diabética. Dose do ácido alfa-lipóico: 100 a 600 mg/dia por 3 meses, via oral.
Ornitina intensifica o aumento da secreção de hormônios e insulina com efeitos anabólicos em pacientes no pós-operatório.
Taurina – O diabético tem um aumento da necessidade de taurina. Durante a cetose, pacientes diabéticos excretam grandes quantidades de aminoácidos sulfidrílicos.
A L-glutamina é essencial para o transporte de nitrogênio e à proteção contra os radicais livres (como precursor da glutationa). Utilizado em doses de 2 a 4 gramas/dia.
2. Enzimas
Coenzima Q10 – Atua na cicatrização do tecido gengival e periodontal, possui sinergismo com a vitamina E, potencializando a antioxidação, diminuí a toxicidade de vários medicamentos de uso contínuo em patologias crônicas como o diabetes, Parkinson e Alzheimer. Dose recomendada: 10 mg a 30 mg, 3 vezes ao dia.
3. Fitoterápicos
Bioflavonóides – Os bioflavonóides aumenta a absorção e a utilização da vitamina C. Possui atividade anti-viral quando combinado com a vitamina C. Previne processos de inativação da vitamina C pela oxidação dos radicais livres. Sugestão de formulação: 100 mg de bioflavonóides + 500 mg de vitamina C + 100 mg de rutina, 3 vezes ao dia.
Ginkgo bibloba -Protege as membranas celulares contra os radicais livres. Dose recomendada: – de 120 a 160 mg/dia, podendo até ser triplicada sem efeitos colaterais.
4. Lipídeos
Ácidos graxos -As deficiências de ácidos graxos essenciais ou alterações metabólicas podem levar à redução na efetividade da insulina, causando: opacificação da córnea, dificuldades na cicatrização, atrofia glandular, dificuldade na retenção da glicose e aumento do risco da aterosclerose. Dosagem recomendada : ômega 6 – 1 a 4 gramas ao dia.
O ácido lipóico pode reduzir a necessidade de insulina e é benéfico no diabetes. Funciona bem na neuropatia diabética.
Dose do ácido alfa-lipóico: 100 a 600 mg/dia por 3 meses, via oral ou injetável.
5. Minerais
Cromo -O fator de tolerância à glicose (GTF) regula a homeostase da glicose orgânica e é dependente de cromo; – o GTF melhora a ligação de insulina com os seus receptores, altera o metabolismo lipídico e secundariamente o metabolismo glicídico. Deverá ser realizada a suplementação com cromo em pacientes diabéticos não insulino-dependentes. Dosagem: picolinato de cromo: 50 a 400 mcg/dia.
Cobre – O cobre é grande gerador de radicais livres, só devendo ser reposto se houver deficiência severa. Apesar da deficiência de cobre estar associada com alteração da tolerância à glicose, em modelos experimentais, a deficiência de cobre não é um problema muito comum no diabetes. Dosagem de cobre quelado: 0,5 a 2,0 mg/dia
Manganês -A deficiência de manganês reduz a atividade da insulina. O manganês é necessário para ativação de enzimas-chave para converter a glicose em energia, por tanto, sendo, essencial para a fosforilação oxidativa.Dosagem do manganês quelado: 10 a 20 mg/dia.
Magnésio – O magnésio está envolvido na homeostase da glicose. Os diabéticos com glicosúria e cetoacidose podem ter perdas excessivas de magnésio pela urina. O Mg modula o transporte de glicose através das membranas celulares. É um cofator em várias vias enzimáticas, envolvendo oxidação da glicose. Altas doses de magnésio pode gerar depressão e fraqueza muscular.Dosagem do magnésio quelado: 50 a 500 mg/dia.
Vanádio – O vanádio é constituinte da estrutura química da insulina, emimetiza a ação da insulina nos adipócitos por diminuir a atividade das enzimas envolvidas na gliconeogênese.
Dosagem do vanádio quelado: 200 mcg/dia.
Zinco – A deficiência de zinco está associada com a redução da secreção da insulina e ao aumento da resistência tissular à insulina. O zinco aumenta a ligação da insulina às membranas dos hepatácitos. O efeito do zinco sobre a secreção de insulina é bifásico; concentrações muito altas ou muito baixas alteram a secreção insulínica. A deficiência severa de zinco pode ocasionar a intolerância à glicose. Dosagem de zinco quelado: 10 a 100 mg/dia
6. Vitaminas
Vitamina A – A vitamina A é essencial à visão (principalmente à visão noturna); regulação da divisão celular; reprodução masculina e feminina; imunidade; anti-neoplásica (especialmente do parênquima respiratório); produção de hemácias; acelera a cicatrização de tecidos; combate as doenças de pele; pode reverter o envelhecimento.Dosagem: Vitamina A (retinoi): 5.000 a 20.000 Ul por dia via oral.
Betacaroteno (pró-vitamina A): 1 0.000 a 25.000 Ul por dia via oral. Os diabéticos podem ter dificuldades em transformar o betacaroteno em retinol. A enzima que faz esta conversão estará diminuída se houver deficiência protéica (cerca de 50%). Altas doses de vitamina A pré-formada (retinol), poderão ocorrer efeitos colaterais de toxicidade (emagrecimento, perda do apetite, problemas na formação óssea, problemas hepáticos e menstruais).
Vitamina B2 (riboflavina) – Denominada riboflavina é também conhecida como vitamina G. Não é encontrada abundantemente nos alimentos, sendo sua deficiência muito comum. Componente essencial de enzimas produtoras de energia e atuantes nos processos de oxirredução, atuando, também, no metabolismo de lipídios e proteínas. Dosagem: 10 a 100 mg
Vitamina B3 (nicotinamida) – Há dois tipos de compostos vitamínicos: niacina (ácido nicotínico) e nicotinamida. A niacina é uma das vitaminas do complexo B mais estáveis. A vitamina B3 está envolvida na produção de Energia. Utilizando o triptofano, na presença das vitaminas B1, B2 , o organismo é capaz de produzir sua própria niacina (60mg de triptofano sintetizam 1 mg de B3). No organismo a niacina converte-se nas formas ativas de coenzimas NAD (Nicotinamida adenina di nucleotídeo) e NADPH2. Participa em mais de 50 reações metabólicas, rápidamente absorvida e estável resistindo ao calor e alcoois.
Vitamina B5 (ácido pantotênico) – Denominada ácido pantotênico ou panteonato de cálcio, acha-se presente na totalidade das células vivas e funciona como parte da coenzima A. É bastante comum na alimentação e amplamente sintetizada no intestino humano. Citada, por alguns autores, como vitamina “anti-stress”, por estar ligada à função adrenocortical.
Vitamina B6 – Relaciona-se a dois compostos: fosfato de piridoxal (que é a forma ativa) e piridoxina. A vitamina B6 intervém em grande série de reações metabólicas, especialmente no metabolismo dos aminoácidos e no SNC, quando participa da formação do ácido gama-aminobutírico (GABA). A administração de 2 a 4 gramas de GABA aumenta o efeito da insulina e não deve ser utilizada por hipoglicêmicos. Colabora na conversão do triptofano em niacina e do ácido araquidônico em prostaglandina E2. Estimula a glicogênese hepática e muscular (ajudando a assimilar adequadamente as proteínas e as gorduras).
Reduz os espasmos musculares noturnos, câimbras nas pernas e dormência nas mãos, porque participa da manutenção dos níveis de magnésio intracelular, importante no funcionamento elétrico dos nervos, coração e músculo-esquelético. Promove a síntese dos ácidos nucléicos (RNA e DNA) que retardam o envelhecimento.
Vitamina B12 – Conhecida como “vitamina vermelha” e também cianocobalamina, contém cobalto em sua molécula. Admite-se que ela exerça efeito protetor sobre a bainha de mielina bem como na sua síntese. Por isso é muito utilizada na neuropatia diabética.
Vitamina C – Complicações decorrentes do diabetis como: gengivites, envelhecimento cutâneo acelerado, dificuldades de cicatrização, podem ser reduzidos com a vitamina C. Dose recomendada para estes casos: 3,0 gramas/dia. Para aumentar a regulação da glicemia no diabetes tipo lI, podemos utilizar formulação contendo: cromo + magnésio + vitamina C + germe de trigo.
Vitamina E – A vitamina E é um importante antioxidante, sendo o mais antigo antioxidante biológico identificado. É essencial a todas as formas de vida que respiram oxigênio. Interage sinergicamente com o ácido ascórbico. Doses recomendadas: Bebês menores que 1 ano: não devem tomar mais do que 50 UI/dia. Crianças entre 1 a 10 anos: até 200 Ul/dia. Adultos:de 300 a 1200 Ul/dia. Na redução da dose de insulina do diabetes tipo 1, devemos usara a associação da vitamina E + manganês + fósforo + niacina.
Referências:
Olszewer E – Radicais Livres em mediciana Fundo editorial BYK. São Paulo 1992.
Guilland JC, Lequeu B – As Vitaminas – Do nutriente ao medicamentos Ed. Santos 1995. Trad. Oliveira EG.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Para mais informações entre em contato:
acadhemia@gmail.com
83 98730 5644 (só mensagem).

 

Subscribe to our Newsletter

Contact

Email us: acadhemia@gmail.com

Our Team Memebers