Casos graves de dengue caem 44% e mortes têm retração de 20%

A queda ocorre mesmo com a expansão dos casos registrados. De 1º de janeiro até 16 de fevereiro, foram 204.650 notificações, contra 70.489 no mesmo período de 2012.
A continuidade das ações para melhoria do atendimento a pacientes com dengue conseguiu reduzir em 44% os casos graves e em 20% as mortes pela doença nas primeiras sete semanas de 2013, em comparação com o mesmo período do ano passado. Os números constam do novo boletim epidemiológico da dengue, divulgado nesta segunda-feira (25) pelo Ministério da Saúde.
De 1º de janeiro a 16 de fevereiro, foram confirmados 324 casos graves – contra 577 em 2012 – e 33 mortes – contra 41 no ano passado. Se comparado a 2010, o desempenho representa redução de 91% nos casos graves e de 77% para as mortes.
A tendência de queda nos casos graves e óbitos é resultado das medidas adotadas pelo Ministério da Saúde em conjunto com estados e municípios, como organização da rede pública de atendimento, a melhoria da atenção básica, capacitação dos profissionais e reforço à vigilância em saúde. “A redução no número de casos graves e óbitos mostram que estão corretas as estratégias de integração de ações no combate à dengue”, afirmou o ministro durante a entrevista coletiva.
O secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, ressaltou que maioria das vítimas de óbitos por dengue é de pessoas com comorbidades, ou seja, que possuem doenças como diabetes, cardiopatias, pneumopatias, entre outras. "Temos que redobrar a atenção, tanto nas ações de prevenção como também de atendimento às pessoas que adquirem a doença", observou o secretário. 
A retração ocorre mesmo com a expansão da notificação total da doença. O boletim aponta 204.650 casos, contra 70.489 do mesmo período do ano passado. Segundo o estudo, oito estados – Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Mato Grosso e Espírito Santo - concentram 173.072 notificações, que equivalem a 84,6% do total
Do ponto de vista da incidência, que compara os casos de dengue com a população do estado, os maiores índices ficam com Rondônia, Acre, Amazonas, Tocantins, Minas Gerais, Espírito Santo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Goiás.
"A situação destes oito estados deve servir de alerta aos demais para que não interrompam as ações de combate à doença. Vale ressaltar que o país está, apenas, começando o período de chuvas, que é o de maior transmissão, ou seja, a luta contra a dengue está no início", afirmou o ministro.
O boletim confirmou que o DENV-4, um dos quatro sorotipos que circula no Brasil, corresponde a 52,6% das amostras analisadas. A gravidade e os sintomas (febre alta, dores no corpo e nas articulações, vômitos, manchas vermelhas no corpo, entre outros) são iguais para os quatro tipos de vírus.
MAIS RECURSOS – Em 2012, o Ministério da Saúde repassou R$ 1,73 bilhão para custear as ações de vigilâncias dos estados e municípios, o que corresponde a uma alta de 29% em relação ao R$ 1,34 bilhão aportado em 2011.
Além deste montante, foram investidos R$ 173,3 milhões neste ano para intensificar as medidas de vigilância, prevenção e controle da dengue, por meio do piso de qualidade da vigilância. Esta verba pode ser usada para ações como compra de equipamentos e treinamento de pessoal.
O Ministério da Saúde também desenvolveu, em parceria com estados e municípios, outras ações como revisão e atualização dos planos de contingência e a manutenção de estoque estratégico de inseticidas e kits diagnóstico para atendimento rápido às demandas durante o maior período de incidência da doença.

Tabela com dadsos por Estado.

FONTE: Portalsaude.saude.gov.br
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Para mais informações entre em contato:
acadhemia@gmail.com
83 98730 5644 (só mensagem).

 

Subscribe to our Newsletter

Contact

Email us: acadhemia@gmail.com

Our Team Memebers