A Educação Física Escolar na prevenção de deformidades da coluna vertebral



Introdução

    A postura humana tem sido objeto de estudo biomecânico, uma vez que desvios estruturais e funcionais de atitude causam desequilíbrio no sistema corporal, levando à compensações que podem gerar alterações em suas estruturas e funções.
    Durante a puberdade a coluna vertebral cresce mais rapidamente que os membros. Músculos e tendões nem sempre acompanham o crescimento ósseo. O adolescente leva tempo para acomodar-se com o seu novo corpo e, nessa fase de muita introspecção, sensibilidade e até vergonha do corpo é comum uma postura encolhida, um andar desengonçado, uma certa descoordenação dos movimentos. Sabe-se que as crianças são mais suscetíveis às alterações posturais, pois encontram-se em período de crescimento e de acomodação das estruturas anatômicas dos seus corpos.
    Os hábitos da vida moderna contribuem para o surgimento de dores musculares e sérios problemas na coluna vertebral. Dentre as várias agressões ao nosso corpo, merece destaque a forma como os nossos alunos estão sentando em sala de aula, carregando suas mochilas (Figura 1), sentados à frente do computador, etc.
    É necessário que urgentemente os alunos se conscientizem da necessidade de rever suas posturas principalmente em sala de aula, local onde passam boa parte do seu dia, e que tenham atitudes que evitem lesões em suas colunas na fase adulta.
    Neste contexto a Educação Física escolar, torna-se um dos meios para a prevenção de deformidades na coluna vertebral, através de suas atividades físicas orientadas por profissional qualificado.
Figura 1. As mochilas pesadas são uma das principais causas de deformidades da coluna vertebral.
Causas dos problemas da coluna vertebral
    Um dos maiores problemas que assolam os países em desenvolvimento são os males da Coluna, que contribuem sobremaneira para limitar a “vida ativa” de seus habitantes, tornando-os, na maioria dos casos, precocemente incapacitados para o trabalho, interrompendo assim uma existência produtiva e acarretando ônus social para o Estado.
    No Brasil, estatísticas demonstram que há uma parcela significativa da população acometida por esse mal. Os problemas da coluna, em geral, devem ser detectados o mais precocemente possível, e, em seguida, tratados.
    A maioria dos Acometimentos Espinhais, segundo Momesso (1997) são originados de “Forma Idiopática”; entretanto, como causa discernível e de magnitude primeira, teríamos os já tão decantados em prosa e verso “Vícios Posturais”, que poderiam ser ocasionados por:
  1. Traumatismos;
  2. Enfermidades;
  3. Hábitos;
  4. Debilidade muscular ou nervosa;
  5. Atitude mental;
  6. Herança;
  7. Indumentária inadequada.
    Nesse contexto, faz necessário, primeiramente definirmos postura, para podermos abordar mais adiante as deformidades na coluna vertebral e suas formas de prevenção.
Postura
    Definir Postura ideal é praticamente impossível. Porém, para Momesso (1997) postura, é a atitude que o corpo adota, mediante um apoio durante a “Inatividade Muscular”, por meio da ação coordenada de vários ligamentos e músculos, que atuam para manter a estabilidade ou para assumir a base essencial, que se adapta constantemente ao movimento a realizar.
    A postura correta é caracterizada por um equilíbrio dinâmico dos vários segmentos corporais nos planos sagital, longitudinal e axial, nas suas mais variadas posições, caracterizando-se por um máximo de eficiência fisiológica e biomecânica (ligamentar e tendíneo-muscular), requerendo um mínimo de esforço e tensão (MOMESSO, 1997).
    As articulações devem manter-se em bom equilíbrio com o objetivo de proteger as estruturas (os músculos e ossos) de traumatismos e deformidades.
    A postura é incorreta e defeituosa, quando é ineficiente ao propósito a que se destina ou quando um grande esforço é requerido para mantê-la. O desequilíbrio dos segmentos corporais na posição ereta nos planos sagital, longitudinal e axial podem conduzir à necessidade de um trabalho muscular adicional para manter o equilíbrio (MOMESSO, 1997).
    O aumento exagerado das curvas da Coluna Vertebral advém de Posturas Viciosas, sendo desagradável do ponto de vista estético e podendo causar problemas psicológicos.
    Basicamente a má postura produz os seguintes problemas posturais:
  1. No sentido ântero-posterior: Hiperlordose Cervical, Hipercifose Torácica, Hiperlordose Lombar, Hipercifose Sacral.
  2. No sentido látero-lateral: Escoliose em ‘C”, Escoliose em “S”. (MOMESSO, 1997, p.20).
Avaliação postural nas aulas de Educação Física
    A avaliação postural se faz importante para que possamos mensurar os desequilíbrios e adequarmos a melhor postura a cada indivíduo, possibilitando a reestruturação completa de nossas cadeias musculares e seus posicionamentos no movimento e/ou na estática. A partir deste procedimento, estaremos com certeza promovendo a prevenção de muitos males causados inicialmente pela má postura, fruto de ausência de controle e informação. Para a avaliação postural podemos utilizar alguns materiais, nas aulas de Educação Física, para melhor avaliar os alunos submetidos ao programa de atividades re-educativas.
  1. Métodos objetivos: uso de radiografia (solicitada pelo médico que acompanha o programa),fotografia.
  2. Métodos subjetivos: o uso do tato e da visão, observando o aluno de costas, perfil direito, perfil esquerdo, frente e antero-flexão, à frente do simetrógrafo. O aluno deverá estar em traje de banho, nas as aulas de Educação Física, de maneira a favorecer a visão do observador para uma melhor visualização das alterações posturais.
    Devemos observar nosso aluno como um todo, pois um desequilíbrio postural jamais se apresenta de forma isolada, portanto, devemos estabelecer critérios de adaptação morfológica e funcional quanto ao equilíbrio e a coordenação dos movimentos do corpo. Não importando o plano que estaremos analisando, devemos estar associando sempre a linha de gravidade. Os segmentos que não estiverem compatíveis com o eixo perpendicular ao solo estarão em desequilíbrios (PROGRAMA POSTURAL, 2008).
    Caberia, portanto, ao professor de Educação Física, educador e agente de saúde conduzir seu trabalho com o máximo de segurança fazendo uso para isso, de recomendações como: anamnese, observação e orientação dos alunos. (BARBOSA, 1999).
    O objetivo principal da avaliação postural na escola é identificar os desequilíbrios mais evidentes a fim de evitar prescrição de exercícios que possam vir a acentuar esses desequilíbrios. Mais do que prescrever atividades físicas, a função do professor de Educação Física é orientar.
Maus hábitos posturais
    As posturas são mantidas, segundo Ribeiro (1999), devido à coordenação neuromuscular, na qual os músculos envolvidos são inervados através de mecanismos de reflexo.
    A maneira de sentar-se de algumas crianças, pode ter um efeito prejudicial, sobre a nutrição dos discos intervertebrais, aumento na atividade muscular, entre outras conseqüências.
    Embora algumas pessoas consigam sentar-se confortavelmente e relaxarem muitas posições sem grande incremento na atividade dos músculos, as pessoas tensas exibem um aumento pronunciado na atividade muscular em várias posturas e durante a realização de tarefas, não relaxando completamente em mais do que umas poucas posições. Quando os músculos espinhais se contraem, apresentam um efeito compressivo sobre os discos intervertebrais; conseqüentemente, contrações musculares excessivas durante solicitações corriqueiras podem ter um efeito prejudicial sobre a nutrição dos discos, uma vez que este é dependente da embebição de fluido que ocorre quando a compressão é reduzida (RIBEIRO, 1999, p.31).
    Em diversos países, crianças em idade escolar, vêem apresentando um aumento considerável de dores nas costas a ponto de tal situação ser tida como epidêmica, mais de 50% das crianças, à partir de 11 anos, tem ou já tiveram dores nas costas. Os fatores que levam a este aumento são vários e cumulativos ao longo dos anos, fazendo com que 80% da população adulta chegue a ser afetada por dores nas costas (TÉCNICA DE ALEXANDER, 2008).
É muito fácil observar uma criança de 4 anos de idade com uma bela postura associada a agilidade e facilidade de movimento, elas estão o tempo todo mudando o seu movimento de acordo com o seu humor. Elas não precisam ficar imobilizadas em um lugar pré-determinado por um tempo definido (TÉCNICA DE ALEXANDER, 2008).
    Em contraste, quando a maioria das crianças deixa a escola, a sua espontaneidade desapareceu, seus movimentos e atenção são restritos e enraizados em hábitos posturais não conscientes. Os especialistas enumeram vários fatores que contribuem para a formação destes maus hábitos posturais. O primeiro deles é a imitação. O processo de aprendizagem na infância se dá através da observação das pessoas à sua volta, dos hábitos posturais dos adultos e das suas reações físicas e mentais às situações do cotidiano.
    Outro fator pode ser encontrado no medo, como mecanismo de proteção físico e mental que a criança aciona ao longo dos anos para lidar com as situações estressantes, incertezas e ameaça de fracassar.
    Outra causa dos maus hábitos de postura e movimento se encontra nas salas de aula: inadequação do mobiliário escolar à criança, longos períodos sentados em sala de aula para cumprir a grade escolar, peso das bolsas e mochilas com material didático, introdução do uso de computadores, entre outros.
    Todos esses fatores geram o desenvolvimento de hábitos posturais prejudiciais que levam a desorganização do equilíbrio e coordenação da criança, produzindo tensão muscular em excesso, ombros para frente ou enrijecidos, costas arqueadas, dificuldade de atenção. Essa interferência na coordenação tende a afetar a criança em todos os níveis de sua vida. (TÉCNICA DE ALEXANDER, 2008).
Defeitos posturais
    Para manutenção de sua forma da direção e equilíbrio, a coluna conta com a força ativa da poderosa musculatura que a envolve, e é formada por músculos intrínsecos.
    Hipercifose dorsal – que pode ser dorsal ou sacral, é um aumento da angulação convexa posterior da coluna, no plano sagital, apresentando os ombros caídos que estão intimamente relacionados, constituindo um desvio para frente da cintura escapular. Caracteriza-se pela hipertrofia do peitoral maior com hipotonia da musculatura posterior do tórax (rombóides maior e menor da porção média do trapézio). Angulação normal de 20 a 40 graus. É um exagero da curvatura dorsal fisiológica que geralmente é compensada por uma hiperlordose lombar e cervical. A hipercifose dorsal pode ser flexível ou rígida.
    Hiperlordose – é uma curvatura exagerada na região cervical ou lombar, acompanhada de inclinação da pelve para frente. Hipertonia da musculatura da região lombar (musculatura pós-vertebral inferior – psoas maior) e hipotonia da musculatura abdominal. Normalmente são mais encontradas nas mulheres.
    Dorso-plano (cifose lombar) – caracteriza-se por uma diminuição anormal da curvatura lombar. Esta deformação está freqüentemente associada aos ombros caídos, tórax plano e abdômen proeminente, caracterizando o quadro clínico de fadiga.
    Escoliose – é uma curvatura lateral da coluna. Podendo ser estrutural ou não estrutural. A progressão depende em, grande parte, da idade que ela inicia e da magnitude do ângulo da curvatura durante o período de crescimento (MOE, 1994). Representa uma combinação de desvio lateral e rotação longitudinal. Na maioria dos casos, os músculos do lado côncavo estão debilitados. Isto se atribui ao desequilíbrio do músculo profundo (semi-espinhoso, espinhoso e rotadores) que são as principais causas da má postura ou deformação (PROGRAMA POSTURAL, 2008).
    Segundo Silva Filho (1999), não existe uma conscientização por parte de pais e filhos, das autoridades e de um grande segmento dos profissionais da saúde, sobre a importância do tratamento precoce para as deformidades da coluna vertebral em geral. Dificuldade esta que constitui uma enorme barreira, pois não falamos só de leigos, mas também de outras pessoas relacionadas à área da saúde.
Prevenção de deformidades da coluna vertebral nas aulas de Educação Física
    A conscientização de uma postura correta deve ser iniciada nas crianças com idade escolar, pois o estilo de vida atual torna as crianças mais sedentárias do que no passado, quando ao experimentar vários tipos de brincadeiras, promoviam um maior equilíbrio tanto estático como dinâmico, evitando grandes retrações musculares e fixações articulares.
    As crianças e adolescentes têm uma grande tendência a desenvolver essas retrações e fixações por causa do tempo em que permanecem exercendo apenas um tipo de postura, principalmente na posição sentada (estático), seja em frente do computador, dentro da sala de aula ou até mesmo, em esportes (dinâmico) praticados nas aulas de Educação Física ou fora delas, visto que uma postura errada causa, desequilíbrio, dor, desconforto, desatenção, dificultando a concentração, o intelecto e, dependendo do caso, a recusa em praticar esportes.
    Os esportes mais praticados pelas crianças nem sempre são uma garantia de que não desenvolverão algum problema de coluna. Se o indivíduo praticar apenas um esporte durante um longo período, pode ficar exposto a um desequilíbrio entre as cadeias musculares, como por exemplo, o futebol que apesar de priorizar ambos membros inferiores, coxas e pernas, não deixa de ser unilateral (chute com a perna dominante) além de não ser dada à devida atenção ao receptor podal (pé), que é o principal responsável pelo desequilíbrio sagital, pois é a base do corpo.
    É necessário estar atento tanto na maneira que o aluno senta e posiciona os pés (altura da cadeira), quanto na maneira como ele se desloca (desequilíbrio dinâmico) na quadra, na pista, pois os pés são chamados de “tampão central” e fazem a fixação final, além de terem a capacidade de memorizar todo o desequilíbrio do corpo tentando, de uma forma ou de outra, re-equilibrar a postura. Este sistema é, portanto, capaz de funcionar em seu desequilíbrio, mas incapaz de corrigir-se sozinho (PROGRAMA POSTURAL, 2008).
    A postura é uma posição ou a atitude do corpo formada pelo arranjo relativo de suas partes para uma atividade específica; ou, ainda, uma maneira característica de alguém sustentar seu corpo, orientada pela força da gravidade. Por meio do controle de equilíbrio é que conseguimos realizar, com um determinado padrão de eficiência, as atividades da vida diária, de acordo com as nossas necessidades, destacando-se a importância da manutenção da postura ereta para ações como a locomoção, manipulação de objetos, entre outras.
    O equilíbrio postural pode ser separado em estático e dinâmico. A regulação estática refere-se às posturas estáticas, enquanto que a dinâmica acontece durante a movimentação ou locomoção. Quando, por qualquer motivo, funcional ou anatômico, desregula-se algum dos receptores do sistema tônico postural, surgem informações anormais capazes de alterar o fino equilíbrio do sistema. Desta situação anômala surgem esquemas corporais alternativos, produzindo fenômenos posturais estáticos e dinâmicos indesejáveis.
    Os crescentes casos de crianças e adolescentes que apresentam má postura devido ao sedentarismo, aliado às novas brincadeiras tecnológicas, geralmente na posição sentada, justifica esta proposta, que oferece uma intervenção para desenvolver uma atitude postural consciente, que beneficiará futuramente o aluno tanto a nível intelectual, quanto físico (PROGRAMA POSTURAL, 2008).
Conclusão
    Podemos concluir que a postura ideal é um pressuposto muito difícil de ser alcançado, sendo um dos maiores problemas dos países em desenvolvimento, principalmente no que diz respeito às deformidades da coluna vertebral. Em virtude disto, faz-se necessário um estudo mais aprofundado das formas de prevenção, avaliação e identificação dos hábitos e deformidades posturais dos alunos das escolas brasileiras, em especial da cidade do Rio de Janeiro.
    Neste contexto, o profissional de Educação Física deve exercer um papel de extrema importância, pondo em prática seus conhecimentos acadêmicos, na área da saúde, para promover o bem-estar social, traduzindo em uma postura correta, com o objetivo de prevenir seus alunos e conscientizá-los da importância da coluna vertebral para sua qualidade de vida, a fim de que eles mudem seus hábitos, tendo também o professor o dever de não promover somente o desenvolvimento psicomotor da criança, mas também o social e psicológico, uma vez que conscientização e mudanças de atitudes precisam caminhar juntas.
Referências
  • BARBOSA, C. L. de A. Educação Física Escolar: da alienação à liberdade- Petrópolis. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.
  • MOE, J. e C. Escoliose e outras Deformidades da Coluna. São Paulo: Santos,1994.
  • MOMESSO, R. B. Proteja sua coluna. São Paulo: Ícone Editora, 1997.
  • PROGRAMA POSTURAL. Disponível em: www.programapostural.com.br, Acesso em 06 Jun. 2008.
  • RIBEIRO, C. das N. Análise morfofuncional da coluna vertebral e suas posturas preventivas. Universidade Castelo Branco: Rio de Janeiro, 1999.
  • SILVA FILHO, L. M. Fisioterapia da Escoliose Idiopática. 1ª ed., Rio de Janeiro: EPUB, 1999.
  • TÉCNICA DE ALEXANDER. Disponível em: www.tecnicadealexander.com.br, Acesso em 04 Jun. 2008


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Para mais informações entre em contato:
acadhemia@gmail.com

 

Subscribe to our Newsletter

Contact

Email us: acadhemia@gmail.com

Our Team Memebers